Clínica, Hotelzinho e PetShop: (31) 3332.5850 (31) 9 8303-7285 | Escola (cursos): (31) 3024.5686 (31) 983040194

Cuidados com o cão idoso

Graças aos avanços na Medicina Veterinária e na qualidade de vida de nossos animais de estimação, eles têm vivido bem mais. Com isso, surgem situações novas para todos, como a Geriatria Veterinária.

O tempo de vida de nossos pets depende de vários fatores como porte, raça, estilo de vida, cuidados, etc. Prevalece, no entanto, a média de 15 anos para cães e até 20 para os gatos.

Para que se considere seu amigo idoso não é apenas a idade cronológica que conta. Os cães de grande porte são considerados idosos por volta de 7 anos, enquanto os de pequeno porte a partir de 12 anos. Os gatos já variam mais a classificação, considerando a qualidade de vida que levam.

É interessante avaliar cada caso individualmente, de forma semelhante à feita conosco, humanos.

A velha regra de 7 anos humanos para 1 do cão já está superada. Os pets idosos costumam apresentar dificuldades na locomoção, algumas raças ficam com os pelos branquinhos, menos animados para certas atividades, respiração mais ofegante, diminuição da visão e/ou audição.

Nessa fase é interessante intensificar as visitas preventivas ao Médico Veterinário para que a qualidade de vida seja assegurada, bem como a tranquilidade do tutor.

É interessante anotar mudanças de comportamento ou surgimento de características ou sintomas novos.nÉ muito importante tentar manter seu pet no peso adequado, estar atento à vacinação e vermifugação, mantê-lo ativo, dentro do possível. Providencie acessibilidade: eles já não têm facilidade para subir e descer em lugares altos ou mais difíceis. Evite mudanças muito grandes nos ambientes, já que a visão diminui. Fique atento à limpeza do tártaro. Entenda e não o repreenda se começar a fazer as necessidades fora de onde costumava. Esteja atento à hidratação. Como os idosos humanos, eles desidratam mais rápido e sentem menos sede.

Alguns sintomas semelhantes ao Alzheimer podem acontecer e é importante comunicar ao Veterinário qualquer mudança observada como, por exemplo, falta de interatividade, desorientação, distúrbios de sono, agressividade, etc.. A alimentação deve ser equilibrada e o mercado já oferece várias alternativas adequadas.

O contato amoroso da família e seu pet é um facilitador na detecção e busca das melhores soluções para cada problema dessa nova etapa. O importante é que seu anjo de patas sinta o amor que os une desde que ele era um bebezinho cheio de energia.

Quer saber mais? Tirar dúvidas? Conversar com um especialista? Contate-nos!

 

Artigos Relacionados

Não entre para o mercado pet abrindo uma casa de rações!

O mercado pet tem crescido nos últimos anos e muitas pessoas têm visto nesse segmento uma oportunidade de negócio. No entanto, é preciso ter cuidado ao escolher o tipo de negócio a ser iniciado, uma vez que nem todas as áreas do mercado pet são igualmente vantajosas. Neste artigo, vamos falar sobre por que pode […]

Como cuidar de uma cobra?

Se você é fascinado por animais exóticos, saiba que cuidar de uma cobra em casa não é tão difícil quanto muita gente imagina. Mas animais silvestres como esse, requerem um ambiente bem controlado e manejo correto. Assim, eles se tornam amigos inseparáveis dos tutores e podem viver por até 30 anos! Isso mesmo: são três […]

Qual a melhor maneira de entrar no Mercado Pet?

O mercado pet é um dos mais lucrativos do país, mesmo em tempos de crise econômica, o setor foi o que apresentou grande índice de crescimento e movimentou milhares de reais.  Com tutores cada vez mais exigentes com o cuidado e carinho com seus pets, a tendência de avanço desse mercado tem feito muita gente […]

CLÍNICA E PET SHOP

clinica@centralpet.vet.br
(31) 3332.5850
(31) 98303.7285

ESCOLA PET

escola@centralpet.vet.br
(31) 3024.5686
(31) 98304.0194
Rua Pedra Bonita, 899 - Barroca | CEP: 30.431-065 - Belo Horizonte/MG